O petróleo brasileiro, o pré-sal e o vestibular

A questão da energia e do petróleo deve ser um dos temas de atualidades mais relevantes para o ENEM 2011.

A crise nuclear no Japão e a guerra declarada pela OTAN e pela ONU à Líbia, cujo questão principal é o controle das reservas petrolíferas líbias vão forçar essa discussão.

No Brasil o debate do Petróleo vem de longe. Desde Monteiro  Lobato, passando pela campanha da UNE nos anos 50 do “Petróleo é Nosso” até as descobertas das reservas petrolíferas na camada do pré-sal no litoral brasileiro colocam para a nação discutir com quem deve ficar essa riqueza e o que deve ser feito dela.

A vinda do Obama ao Brasil é um sinal de que os estadunidenses estão de olho no petróleo brasileiro. Inclusive colocaram no Atlântico Sul a 4ª frota da marinha americana, com o mais moderno porta-aviões dos EUA para vigiar as águas onde estão o petróleo do pré-sal e também a região onde está a Venezuela (maior reserva de petróleo da América do Sul).

A riqueza do petróleo brasileiro é algo que precisa ser discutido. Ela deve ser nossa.  Deve ser colocada para antender as necessidades da nação brasileira, do povo brasileiro.  Por isso é justa a posição dos trabalhadores petroleiros de exigirem uma “Todo o petróleo para uma Petrobrás 100% estatal”.

O pré-sal e o tsunami na geopolítica do petróleo

por João Antônio de Moraes, coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros — FUP.

Uma nova ordem mundial começa a alterar a geopolítica do petróleo e, mais do que nunca, precisamos entender este processo e tratar o pré-sal como uma riqueza extremamente estratégica. O acidente nuclear no Japão, as mudanças políticas no Norte da África e no Oriente Médio e a visita de Barack Obama ao Brasil são fatos correlatos que colocam em alerta os movimentos sociais na defesa da nossa soberania energética.

O tsunami japonês varreu, pelo menos temporariamente, os planos de expansão nuclear de dezenas de países que apostam nesta fonte de energia como principal alternativa para reduzir a dependência de hidrocarbonetos (óleo e gás natural). A tendência é que estes recursos se tornem cada vez mais estratégicos para saciar a fome de energia do planeta. Hoje os combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás) são responsáveis por mais de 80% da matriz energética global. As estimativas da Agência Internacional de Energia são de que o consumo de petróleo continue aumentando em termos absolutos, ultrapassando nos próximos dez anos a marca de 100 milhões de barris por dia.

Em função disso, já estamos assistindo à corrida das principais nações em busca de novas fronteiras produtoras de petróleo e gás para garantir suas necessidades de abastecimento. Não por acaso, o Brasil foi o primeiro pouso de Barack Obama na América Latina. Por trás de sua “cordial” visita, estão intenções nada amistosas. Os Estados Unidos são o maior consumidor de petróleo do planeta (utilizam 25% da produção global) e também o mais vulnerável em meio à onda de revoltas que assola o Norte da África e o Oriente Médio, principal fonte abastecedora do país.

Em troca de petróleo, o império norte-americano tem apoiado e sustentado ditaduras e governos autoritários nestas regiões, intervindo militarmente sempre que seus interesses são ameaçados. É o que está acontecendo agora na Líbia, da mesma forma como aconteceu no Irã, no Iraque e no Afeganistão. Mas as movimentações de peças no tabuleiro de xadrez do mundo árabe levam os analistas políticos a acreditarem que uma nova coalizão de forças colocará em xeque a posição confortável que os Estados Unidos usufruíam no Oriente Médio até então.

Para que Washington diminua sua dependência da região, o Brasil é a bola da vez. Com o pré-sal, nosso país será uma das maiores reservas de petróleo do planeta e é de olho nesta riqueza que os Estados Unidos vêm tentando fechar acordos e parcerias com o governo brasileiro e a Petrobrás. A FUP e os movimentos sociais são contrários à tese de que o pré-sal deve fazer do Brasil um grande exportador de petróleo. Queremos que este estratégico recurso seja explorado de forma sustentável para desenvolver toda a sua cadeia produtiva. Desde a construção de navios e plataformas até a indústria petroquímica e plástica.

É desta forma que o país irá gerar emprego e renda e não exportando petróleo cru para abastecer países ricos, como os Estados Unidos, que durante décadas exploram e usufruem de recursos energéticos alheios para sustentar seus absurdos níveis de consumo. O pré-sal, como disse a presidenta Dilma, é o passaporte para que as gerações futuras tenham um país desenvolvido, com oportunidades para todos. Mas isso só será possível investindo na cadeia produtiva do petróleo aqui no Brasil, fomentando a indústria nacional, gerando emprego e renda para milhões de brasileiros.

Fonte: http://www.fup.org.br/

About these ads

3 Comentários

Arquivado em Atualidades, Brasil, ENEM

3 Respostas para “O petróleo brasileiro, o pré-sal e o vestibular

  1. enga mendoca chaves

    oos homanoides erguem e destroem muitas coisas belas da vida …Jah em decrepitude (futura extinção) pelos acelerados danos irreparáveis ao ecosistema deveriam dessacelera-las distribuindo
    os afamados ROYALTS para a SAÚDE e SUSTENTAÇÃO?

  2. raquel aquino

    OLA1!
    muito bom este artigo, pois esclareceu muito as minhas dúvidas sobre um trabalho que tenho que fazer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s