Líbia: ONU quer proteger os cívis? Com “bombardeios humanitários”?


Bombardeio do aeroporto de Trípoli, capital da Líbia,
por forças da OTAN autorizadas pela ONU

A hipocrisia é reinante quando falamos em guerra. A questão Líbia é sem dúvida um tema que vai aparecer nos vestibulares e no ENEM, pois diz respeito a dyas questões chaves do mundo atual: petróleo e guerra.

Quando assisto a Televisão fico indignado com a manipulação.  A visão parcial faz com que ninguém veja que dos dois lados existem seres humanos. Homens, mulheres e idosos e crianças sãos as vítimas. Não é o ditador Khadafi ou os comandantes da ONU/OTAN quem estão sofrendo.

A ideia de “intervenção humanitária” é nada mais nada menos do que a fachada para invasão e roubo do povo líbio. Querem roubar suas riquezas naturais: seu gás e petróleo.

Essa guerra também é para movimentar a indústria bélica. Cada míssil disparado pela marinha dos EUA custava mais de um milhão de dólares. Milhões para indústria da guerra. Fome e morte para o povo líbio. É isso que significa a “guerra humanitária”.

Bispo de Trípoli diz que 40 morreram por bombas da coalizão

O bispo apostólico da Igreja Católica na Líbia, Giovanni Innocenzo Martinelli, afirmou nesta quinta-feira que ao menos 40 pessoas morreram nos bombardeios da coalizão internacional sobre Trípoli, capital do país africano.

“Os chamados “bombardeios humanitários” causaram dezenas de vítimas entre civis em alguns bairros de Trípoli”, disse Martinelli à agência de notícias vaticana Fides.

Ele afirma que um dos ataques das forças internacionais, que têm como alvo oficial as Forças Aéreas do ditador Muammar Khadafi, atingiram um edifício residencial. O bombardeio teria causado a morte de 40 pessoas, diz o bispo.

O bispo afirmou ainda que vários hospitais de Trípoli foram atingidos por bombas, um deles no bairro de Misda, no sul da capital.

O governo líbio acusa, desde o início da operação internacional, as forças da coalizão de matarem dezenas de civis em seus bombardeios. Funcionários do governo chegaram a levar repórteres internacionais para os locais atacados e para hospitais e necrotérios, mas a evidência de morte de civis é inconclusiva diante da censura imposta por Trípoli à imprensa e possível manipulação.

Os países ocidentais dizem não ter evidência confirmada de morte de civis por seus ataques aéreos, aplicados sob resolução do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) para impor uma zona de restrição aérea no país e proteger os civis das forças de Khadafi.

“Embora se saiba que os bombardeios buscam atacar somente alvos militares, é certo também que quando eles atingem alvos militares que estão no meio de bairros civis, a população também é envolvida”, declarou o bispo.
“Eu coletei relatos de várias testemunhas confiáveis”, disse Martinelli à Fides.

Segundo ele, a situação em Trípoli torna-se cada dia mais difícil. “A escassez de combustível se agravou, como demonstram as filas intermináveis de carros nos postos de gasolina. No plano militar, parece que há um impasse, já que, aparentemente, os rebeldes não têm força suficiente para avançar”.

Ele insistiu ainda em uma solução diplomática “para pôr fim ao derramamento de sangue entre os líbios”, além de oferecer a Khadafi “uma saída digna” do poder.

Fonte: Jornal de Floripa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s