Para derrubar o mito dos genes

A questão genética é um tema recorrente na discussão sobre o que somos.

Os genes seriam a “programação” das nossas vidas. Há um filme Gattaca cujo futuro das pessoas é determinado por uma análise do seu potêncial genético. Há até gente que busca dizer que atitudes humanas poderiam ser previstas pelos Genes como opção sexual ou criminalidade.

Trata-se na prática da ideia determinista onde “estaria escrito nos genes” o que somos. Antes era “Deus” agora seriam os “Genes”.

Nega-se que é a experiência, a vida humana em sociedade e todas as relações que estabelecemos em nossas vidas que fazem o que cada um de nós é. Onde as oportunidades da vida material significam muito mais do que sua herança genética.

O ser humano como ser social é determinado pela sua experiência de vida. Nada está escrito. A vida de cada ser humano é determinada por suas escolas, pelo seu aprendizado e pelo seu trabalho. Nem “Deuses”, nem “Genes”. O que somos é o que escolhemos ser.

O livro “O gênio em todos nós” de David Shenk lançado pela Zahar parece interessante. Já está na minha lista de compras.

Para derrubar o mito dos genes

Livro mostra por que a diferença entre as pessoas comuns e os grandes gênios não está no código genético e conta como Da Vinci, Dante e Beethoven alcançaram a genialidade.


O que diferencia Einstein, Mozart e Michael Jordan de tantos que, na mesma época, desenvolviam teorias científicas, compunham ou jogavam basquete? Novo livro de David Shenk foge do determinismo genético para debater a questão. (fotos: Wikimedia Commons)

Por:  Catarina Chagas

“Tudo o que você ouviu falar sobre genética, talento e QI está errado.” É assim, logo na capa de seu novo livro, que o jornalista David Shenk começa a provocar o leitor. O gênio em todos nós é, aliás, provocativo do começo ao fim. Seu objetivo maior é mostrar ao mundo que nem tudo está escrito nos genes e que nosso DNA não é capaz de determinar nosso futuro profissional ou intelectual.
O autor argumenta que Einstein, Mozart, Michael Jordan e outras personalidades não se destacaram na ciência, na música e no esporte por um acaso genético. Em vez disso, a forma como foram treinados, a dedicação com que trabalharam e o contexto em que viveram fez toda a diferença.

Explicar como isso acontece, porém, não é tarefa fácil, como admite o próprio autor. “Ajudar o público a entender a interação gene-ambiente é uma tarefa especialmente árdua, pois é de uma complexidade monstruosa”, escreve.

Capa ‘O gênio em todos nós’Motivado por esse desafio, Shenk compila uma série de pesquisas e informações históricas que ajudam a sustentar sua hipótese. Cada capítulo do livro é recheado de exemplos reais, nomes de cientistas e seus trabalhos.

Na primeira parte, o foco é desmistificar a inteligência e outras capacidades especiais, como o dom. Começando por explicar o funcionamento dos genes, o autor procura mostrar como o ambiente interfere no desenvolvimento da personalidade, do comportamento e da saúde, além de introduzir o conceito de “desenvolvimento dinâmico” para substituir o binômio inato + adquirido. Ele argumenta que a inteligência deve ser vista como processo e que, portanto, pode ser aprimorada ao longo da vida.

Shenk conclui que os talentos não são dons inatos, mas resultados do desenvolvimento pessoal desde o momento da concepção. Embora admita que nem todos nasçam com o mesmo potencial para certas atividades, o autor afirma que “ninguém é geneticamente destinado à grandeza” e que “poucos são biologicamente incapazes de alcançá-la”.

Para concluir a argumentação, procura explicar como as diferenças entre gêmeos idênticos, os exemplos de crianças prodígio, os talentos tardios e as aglomerações de talentos em determinados grupos étnicos podem corroborar a ideia de que, mais do que simplesmente o código genético, a combinação entre DNA e ambiente é que faz um verdadeiro talento.

Sangue e suor

Já a segunda parte do livro tem um propósito, digamos, mais prático: sabendo que não somos fadados geneticamente ao fracasso ou ao sucesso, como explorar ao máximo nosso potencial e alcançar a grandeza dos gênios?

Apesar dos títulos que lembram livros de auto-ajuda (por exemplo, ‘Como ser um gênio’ ou ‘Como arruinar (ou inspirar) uma criança’), o autor garante: “este, na verdade, não é um livro sobre a genialidade no sentido convencional do termo. Ele não é um manual que lhe diz como você também pode ser igualzinho a William Shakespeare”.

Os capítulos seguem, então, oferecendo exemplos históricos que provam que a genialidade chega apenas para aqueles que a perseguem. A diferença entre cada um de nós e grandes gênios como Da Vinci, Dante e Beethoven não reside no fato de que eles seriam grandes e nós, comuns por natureza, mas na forma como foram moldados para se tornarem gênios.

Um alívio para alguns, certamente – e a perspectiva de muito trabalho pela frente para outros.

Fonte:  Ciência Hoje.

Serviço sobre o livro:

Detalhes:
Brochura
16 x 23 cm
360pp
Ilustrado
R$ 44,00

Data de Lançamento:
31/3/2011

1ª edição

ISBN:
978-85-378-0516-9

Tradução:
Fabiano Morais

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s