A lista suja do Trabalho Escravo no Brasil

Brasil: 13 de Maio de 1888 se formaliza institucionalmente o fim da escravidão no Brasil, resultado da luta intensa do movimento abolicionista brasileiro. Como explica o professor Mário Maestri, “A única revolução social do Brasil”.

Brasil: 30 de Dezembro de 2011: 294 nomes fazem parte da lista de empregadores pegos utilizando trabalho em condições análogas a escravidão.

Atualizada, “lista suja” do trabalho escravo chega a 294 nomes

Crianças e adolescentes trabalhavam de chinelos e até descalços na colheita de fumo (SRTE/SC)

Cadastro de empregadores flagrados com escravos atinge número recorde e reflete impacto indesejado do avanço da monocultura e de grandes projetos

Por Bianca Pyl, Daniel Santini e Maurício Hashizume

A “lista suja” do trabalho escravo, cadastro de empregadores pegos em flagrante na exploração de trabalhadores em condições análogas à escravidão, nunca teve tantos nomes. Atualizada nesta semana, a relação cresceu com a entrada de 52 novos registros e chegou ao recorde de 294 nomes. Entre os que entraram estão alguns dos principais grupos usineiros do país, madeireiras, empresários e até uma empreiteira envolvida na construção da usina hidrelétrica de Jirau. A lista inclui ainda médicos, políticos, famílias poderosas e casos de exploração de trabalho infantil e de trabalho escravo urbano, que será tema de reportagem especial da Repórter Brasil nos próximos dias.

Leia o texto completo. Clique aqui e vá ao site da Repórter Brasil.

Anúncios

2 pensamentos sobre “A lista suja do Trabalho Escravo no Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s