A história e o calendário cósmico de Carl Sagan

Texto retirado do site do Laboratório Nacional de Energia e Geologia de Portugal, parte do Sistema Nacional de Informação Geocientifica português.

A História da Terra

A Terra gira à volta do Sol há cerca de 4600 milhões de anos, e não teve sempre o mesmo aspecto que hoje apresenta.

No decurso da sua longa História, a Terra sofreu grandes modificações, que afectaram a distribuição e os contornos dos seus continentes, o clima, as formas de vida e a extensão e profundidade dos oceanos.

Na realidade a face do nosso planeta tem mudado continuamente ao longo do tempo, os oceanos e atmosfera evoluíram, ergueram-se e erodiram-se montanhas, surgiram e desapareceram mares.

No meio de todas estas transformações a vida surgiu, sobreviveu e evoluiu.

A Idade da Terra

Já alguma vez pensaste que idade terá o planeta onde vives?

Vários estudos e investigação desenvolvidas por muitos cientistas apontam a idade para os 4600 milhões de anos.

Já imaginaste o que é 1 MILHÃO? Mesmo de verdade? Porventura já te disseram 1 milhão de vezes para fazeres os trabalhos de casa? Já experimentaste contar até um milhão? E até cem mil? E até dez mil? Ou mesmo até mil?

Se contares a um ritmo de um número por segundo, levarás cerca de 15 minutos para contares até 1000.

E quanto precisarias para contar 4600 milhões de anos (4600.000.000)! Seriam precisos 69.000.000 minutos ou seja aproximadamente cerca de 131 anos sem qualquer paragem a um ritmo de 1 número por segundo. Uma enormidade!!!

Já alguma vez pensaste na quantidade de coisas que aconteceram na Terra, ao longo deste tempo?

É realmente difícil abstrairmo-nos para imaginar esta escala de tempo, uma vez que os acontecimentos importantes das nossas vidas são medidas em anos ou em unidades ainda menores; a nossa genealogia familiar em séculos, e toda a história humana é registada em séculos ou milénios.

Contudo, a datação radioactiva e a análise e estudo das rochas permitiram obter dados sobre a vida, as alterações geológicas e até mesmo mudanças climáticas do passado. A astrofísica forneceu diversas informações confiáveis a respeito dos estágios evolutivos das estrelas, suas idades, a formação da galáxia e, inclusive, uma boa estimativa do tempo decorrido desde o “Big Bang”, o evento mais remoto. Vimo-nos, assim, confrontados por uma inconcebível perspectiva do tempo, de milhares de milhões de anos, estendendo-se a períodos incrivelmente longos do passado da Terra, e a uma real dificuldade de concebermos a imensidade dos intervalos de tempo que os compreende.

Do “Big Bang” ao último segundo

Dada a dificuldade de compreender os valores temporais que iremos falar, vamos imaginar os 15 mil milhões de anos de vida do Universo comprimidos no espaço de 1 ano. Tudo. Desde a Grande Explosão que deu origem ao Universo e ao próprio tempo, o chamado Big Bang, até ao último instante, este que vives enquanto lês estas palavras.

Como já se disse, o ano é a principal unidade de medida de tempo utilizada pelos humanos. Mas já em termos de história da humanidade necessitamos de unidades maiores, como a década, o século e o milénio. Porém, mesmo os milénios dos quais possuímos registos históricos são precedidos por períodos de tempo excepcionalmente maiores. Milhões de anos se passaram na Terra antes da espécie humana aparecer. Milhares de milhões de anos desde que a primeira estrela do Universo começou a brilhar.

No calendário estão assinalados os principais eventos actualmente conhecidos da história do Universo e da Terra, como por exemplo, a formação da nossa galáxia, a origem do Sistema Solar, o aparecimento dos primeiros organismos vivos na Terra e o despertar do ser humano.

Além disso, devido à extrema compressão do tempo a esta escala, todos os eventos relativos à história humana ficaram comprimidos literalmente nos últimos segundos do dia 31 de Dezembro, sendo muito difícil registá-los integralmente.

Uma coisa é certa ao analisarmos o calendário ficamos com a perspectiva de que somos muito pequenos perante o Universo, e que ocupamos um instante de tempo insignificante na sua existência. E também que o nosso destino – e o de toda a vida na Terra – dependerá da sensibilidade humana e do seu valioso conhecimento científico.

Calendário Cósmico proposto por Carl Sagan
15 mil milhões de anos em doze meses:
é o Calendário Cósmico proposto por Carl Sagan
CALENDÁRIO DA HISTÓRIA DO UNIVERSO E DA TERRA
DIA / TEMPO ACONTECIMENTOS
1 Janeiro
15 mil milhões anos
“Big Bang”
A grande explosão que originou o Universo
Big Bang
1 Maio
10,1 mil milhões anos
Origem das Galáxias
Entre elas a nossa – Via Láctea
Origem das Galáxias
9 Setembro
4 900 milhões anos
Origem do Sistema Solar Origem do Sistema Solar
14 Setembro
4 600 milhões anos
Formação da Terra Formação da Terra
25 Setembro
3 700 milhões anos
Origem da Vida na Terra Origem da Vida na Terra
9 Outubro
3 500 milhões anos
Idade dos fósseis mais antigos Idade dos fósseis mais antigos
1 Novembro
2 500 milhões anos
Diferenciação genética e primeiros organismos sexuados Diferenciação genética e primeiros organismos sexuados
12 Novembro
2 100 milhões anos
Fotossíntese Fotossíntese
15 Novembro
1 900 milhões anos
Aumento da diversidade da Vida Aumento da diversidade da Vida
1 Dezembro
1 200 milhões anos
Surge o oxigénio na atmosfera Surge o oxigénio na atmosfera
16 Dezembro
658 milhões anos
Primeiros organismos pluricelulares Primeiros organismos pluricelulares
17 Dezembro
616 milhões anos
O Precâmbrico está a terminar O Precâmbrico está a terminar
18 Dezembro
542 milhões anos
Inicio da Era PaleozóicaPeríodo Câmbrico
Dá-se a diferenciação da maior parte dos grupos actuais de invertebrados pluricelulares, esponjas, corais e medusas, vermes segmentados, moluscos, artrópodes dotados de um robusto esqueleto externo (exoesqueleto). Surge o primeiro plâcton oceânico. Desenvolvimento das trilobites.
Período Câmbrico
19 Dezembro
490 milhões anos
Período Ordovicico
Continua a diversificação da vida. Nos mares surgem os primeiros agnatas (peixes ainda sem mandíbulas) e os primeiros vertebrados. Aparecimento dos primeiros nautilóides. No final deste período um importante episódio de extinção acaba com cerca de 85% das espécies existentes.
Período Ordovicico
20 Dezembro
440 milhões anos
Período Silúrico
Aparecem os primeiros peixes com mandíbulas. Aparecem as primeiras plantas vascularizadas que começam a colonização da parte emersa dos continentes.
Período Silúrico
21 Dezembro
415 milhões anos
Período Devónico
Continua a diversificação da vida, surgem os primeiros amonóides. Dá-se a diferenciação dos primeiros anfíbios com integração de respiração aquática com respiração aérea. Alguns grupos de artrópodes – escorpiões e insectos – conquistam e colonizam o ambiente continental. Este período termina com a extinção de cerca de 80% das espécies vivas existentes.
Período DevónicoPeríodo Devónico
23 Dezembro
360 milhões anos
Período Carbónico
O clima quente e húmido favorece o desenvolvimento de vastas florestas de plantas com esporos – fetos e gimnospérmicas. Surgem os primeiros répteis e há uma grande difusão de insectos que incluem libélulas gigantes.
Período CarbónicoPeríodo Carbónico
24 Dezembro
300 milhões anos
Período Pérmico
Os animais continuam a colonização dos mares e da terra firme. Surgem os primeiros mamíferos com forte declínio dos anfíbios. Está a finalizar-se a Era Paleozóica com o maior episódio de extinção em massa registado. No final do Pérmico cerca de 96% das espécies de seres vivos desapareceram, entre as quais as trilobites e goniatites.
Período PérmicoPeríodo Pérmico
25 Dezembro
250 milhões anos
Início da Era Mesozóica
Período Triásico Todos os continentes estão agora reunidas num único supercontinente – A Pangeia.Período TriásicoO clima é muito quente. Aparecem os primeiros dinossauros e continua a evolução dos mamíferos. Nos mares regista-se uma grande diversificação de peixes e invertebrados. No final do Triásico dá-se uma grande extinção de cerca de 75% das espécies.
26 Dezembro
200 milhões anos
Período JurássicoA Pangea fractura-se em duas massas continentais, uma a Norte, a Laurásia e outra a Sul, a Gondwana.Período JurássicoAs condições ambientais favorecem a diferenciação dos grandes répteis. Os dinossauros dominam todos os nichos ecológicos.
27 Dezembro
191 milhões anos
Surgem as primeiras aves a partir da diferenciação de alguns géneros de répteis.
28 Dezembro
145 milhões anos
Período Cretácico
No mundo vegetal dá-se a diferenciação das primeiras plantas com flor – angiospérmicas. Os dinossauros continuam a dominar e a diversificar-se.Período CretácicoNo final deste período uma catástrofe, que se julga devida ao impacto de um grande meteorito, levou à extinção em massa de cerca de 75% das espécies existentes, entre elas as de todos os dinossauros, amonites, belemnites e rudistas. Termina a Era Mesozóica.
29 Dezembro
65 milhões anos
Início da Era Cenozóica
As primitivas massas continentais fracturadas estão agora próximo das actuais posições.Grande expansão das aves e mamíferos. Surgem os primeiros cetáceos – mamíferos marinhos – e os primeiros primatas.Era Cenozóica
30 Dezembro
41 milhões anos
Os mamíferos apropriam-se dos nichos ecológicos deixados pelos dinossauros no Mesozóico e difundem-se em terra firme, nos oceanos e no céu.Desenvolvimento e diversificação de grandes mamíferos. Nas pradarias passeiam enormes herbívoros, presas de ferozes predadores, como os tigres dente de sabre.
30 Dezembro
16 milhões anos
Surgem os primeiros hominídeos, com o princípio da evolução dos lobos frontais nos cérebros dos primatas. Habitam as florestas húmidas da Europa, África e Ásia. Têm caixa craniana pequena mas maxilas muito desenvolvidas, com forte dentadura adaptada a uma alimentação essencialmente vegetariana.Com a alteração do clima, as savanas substituem as vastas florestas existentes, o que determina o início da divisão dos primatas entre as formas arborícolas das florestas e as formas adaptadas ao ambiente de savana.
31 Dezembro 
HORAS:
Fim do Período PliocénicoInício do Período Quaternário
20:15:00
7 milhões anos
Início da linha evolutiva do HomemOs primeiros hominídeos
21:30:00
4 milhões anos
AustralophitecusPrimeiro estágio da evolução humana –Australophitecus
Provavelmente vegetarianos e imperfeitamente bípedes, com uma ligeira testa e estatura baixa, entre 1 e 1,5m. Habitavam as matas e florestas do continente africano.Utensílios de pedra e osso.
22:44:55
2,5 milhões anos
Homo habilisSegundo estágio da evolução humana O género Homo.
Homo habilis Omnívoros. Completamente bípedes e com uma testa alta.Utensílios de pedra mais elaborados. Fósseis encontrados exclusivamente no continente africano.
22:59:56
1,7 milhões anos
Surge o Homo Erectus
Tinham aproximadamente 1 m de altura e caminhavam completamente erectos. O Homo erectus fabricava ferramentas elaboradas, descobriu o fogo e iniciou a caça grossa de animais selvagens, tendo começado a fixar-se em diversos locais.Foram encontrados vestígios fósseis em todos os continentes, embora os mais antigos tenham sido encontrados em África.
23:52:30
450.000 anos
Homo SapiensSurge o Homo Sapiens Dotado de raciocínio, e com as primeiras manifestações de arte. Inicia os rituais funerários. Habita todos os continentes.
23:56:15
100.000 anos
Homem de NeanderthalHomem de Neanderthal
Viveu na Europa e no Médio Oriente. Pratica o culto da morte. Extinguiu-se sem deixar descendência.
23:58:53
30.000 anos
Homo Sapiens SapiensHomo Sapiens Sapiens
Única espécie humana actualmente existente. Vive em todos os continentes onde se vem diversificando. É hábil na fabricação de utensílios que utiliza para pescar, caçar e defender-se. Vestígios de arte rupestre deixados por toda a Europa.
23:59:32
12.500 anos
Idade NeolíticaIdade NeolíticaNo médio Oriente grupos humanos praticam a pastorícia e a agricultura e iniciam a domesticação de animais.Tornam-se definitivamente sedentários e habitam em cabanas. Dá-se a grande extinção dos mamutes.
23:59:49
5.000 anos
Idade do BronzeIdade do Bronze Construção das grandes pirâmides do Egipto.Inicio do processo de fabrico em bronze. Segundo a civilização chinesa o céu era redondo e a terra quadrada.
23:59:53
3.000 anos
Idade do FerroIdade do FerroInício da idade do ferro na Europa.
23:59:56
2.000 anos
Nascimento de CristoAno zero da nossa era Os Romanos conquistam a Alemanha e Grã-Bretanha.Pompeia e Herculano são destruídas por erupção vulcânica do Vesúvio.
23:59:59
500 anos
Idade do RenascimentoRenascimento
Copérnico formula a teoria do universo heliocêntrico.RenascimentoÉpoca dos descobrimentos. Aparecimento do método experimental na ciência.
23:59:59:9
Actualidade
Hoje, Nós, Homem AtualHomem ActualHomem ActualDesenvolvimento generalizado da ciência e tecnologia. Aparecimento de uma cultura global. Primeiros passos na exploração interplanetária e busca de inteligência extra-terrestre.


Segundo este calendário, escrito por Carl Sagan, a modernidade, surge no último segundo, do último minuto, da última hora, do último dia do calendário.

Toda a história conhecida ocupa os últimos 10 segundos do dia 31 de Dezembro, o que exemplifica bem a insignificância do instante que ocupamos à escala do tempo geológico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s