A ciência e a luta de um pai

Publico para vocês um emocionante artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo.

É a história de um engenheiro mecânico que ao descobrir que seu filho tinha uma doença rara, não teve dúvida, se agarrou à ciência para buscar os meios que poderiam ajudar seu filho.

Para quem assistiu o filme  “Óleo de Lorenzo“, trata-se de uma história muito parecida, mas ocorrida aqui no Brasil, mas precisamente em Curitiba.

Uma história bela. Onde a ciência demonstra a força da persistência. A decisão da UFRGS de pesquisar a hipótese do tratamento feita pelo sr. Afonso é uma conquista desse engenheiro mecânico.

 

A luta do pai pela cura de Vitor

Engenheiro abandona emprego, estuda literatura médica por conta própria e descobre fórmula para produzir enzima que retarda evolução da doença do filho
12 de agosto de 2012 | 3h 07
por FERNANDA BASSETTE – O Estado de S.Paulo

Amor de pai. Adolfo e o filho Vitor, em Curitiba - Denis Ferreira Netto/AE
Amor de pai. Adolfo e o filho Vitor, em Curitiba
Foto de Denis Ferreira Netto/AE

Entre abril de 1999 e maio de 2000, o engenheiro mecânico Adolfo Celso Guidi, de 54 anos, abriu mão de sua vida pessoal, separou-se da mulher, abandonou o emprego e se enfurnou na biblioteca da Universidade Federal do Paraná (UFPR), onde se debruçou sobre livros de medicina.

O objetivo era nobre e urgente: Adolfo corria contra o tempo para entender o mecanismo de ação da gangliosidose do tipo 2, doença genética rara, neurodegenerativa e sem cura, que havia sido recém-diagnosticada em seu filho, Vitor, que na época tinha apenas 10 anos. Descrentes, os médicos deram mais um ano de vida ao menino.

E Guidi conseguiu. Sozinho, depois de ler mais de 30 livros de medicina – incluindo áreas sobre genética, neurologia e fisiologia -, ele não apenas entendeu como a doença agia no organismo de seu filho, mas descobriu uma fórmula que retardou sua evolução. Contrariando a literatura médica – que aponta 11 anos de vida aos portadores de gangliosidose tipo 2 -, Vitor está vivo e hoje tem 23 anos.
Continuar lendo