“Hoje matei 13 crianças palestinas”

Israel

O soldado israelense Davi Ovadia publicou, em 30 de julho de 2014,  na internet,  sua foto apontando seu fuzil, com as seguintes palavras:  “Matei hoje 13 crianças palestinas. O resto dos desgraçados muçulmanos mandarei para  o inferno mais tarde”.

Esse é mais um dos muitos exemplos do  auto-proclamado “alto padrão do exército de Israel”.

Para o primeiro ministro Netaniahu, o exército israelense tem padrão moral sem par.  Alega que Israel não intenciona atingir nenhuma pessoa inocente.

No mesmo dia da declaração de Netaniahu, o chefe para assuntos humanitários da ONU,  Valerie Amos,  em vídeo-conferência no Conselho de Segurança da ONU, declarou que mais de 80% das vítimas em Gaza são civis e que o mundo está assistindo horrorizado o desespero das crianças e civis palestinos sob o ataque israelense.

O mundo deveria estar horrorizado não apenas com o padrão imoral do exército de Israel, mas também com todas as declarações e atos do Estado judeu. O genocídio em Gaza é fruto de uma cultura racista e assassina, que domina a sociedade israelense, e inclusive muitos judeus fora de Israel.

Citam-se apenas algumas declarações de políticos, religiosos, acadêmicos e militares israelenses sobre árabes e especificamente sobre palestinos.
Continuar lendo