Veja as datas da FUVEST, UNESP E UNICAMP!

Galera, vamos ficar ligados. Saiu as datas de isenção das provas dos vestibulares da FUVEST (USP), UNESP e UNICAMP.

O site UOL Educação sistematizou as datas:

Calendário da Fuvest
Inscrições – de 21 de agosto ao dia 11 de setembro
Primeira fase – 26 de novembro
Segunda fase – 7, 8 e 9 de janeiro de 2018

Calendário da Unicamp
Inscrições – de 31 de julho ao dia 31 de agosto
Primeira fase – 19 de novembro
Segunda fase – 14, 15 e 16 de janeiro de 2018
Provas específicas – 22 a 25 de janeiro de 2018

Calendário da Unesp
Inscrições – 11 de setembro ao dia 9 de outubro
Primeira fase – 15 de novembro
Segunda fase – 17 e 18 de dezembro
Lista de aprovação – 2 de fevereiro de 2018

ISENÇÃO: VÁ ATRÁS!
Lamentavelmente as universidades estaduais paulistas tem um sistema muito restritivo para solicitação de isenção da taxa de inscrição para os vestibulares.
Para se ter uma ideia a data limite para solicitação na UNIMCAP é dia 23/5 (hoje!), muito antes da inscrição oficial da prova (31/7 a 31/8).

A isenção é um direito do estudante que não tem recursos para pagar a taxa de inscrição para as provas. Vale a pena correr para buscar a isenção.

Para conhecer mais o Reitor da USP, João Grandino Rodas

O mesmo Rodas que permitiu a ação truculenta da PM no campus da USP há uma semana [8 de novembro] deu uma mãozinha para os carrascos das vítimas da ditadura de 1964 a 1985 (…) Na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, ele votou contra a culpabilidade do Estado pela morte e desaparecimento de vários presos políticos.” — Carlos Lungarzo, membro da Anistia Internacional.

Lendo o artigo de Conceição Lemes no site “Vi o Mundo”, do jornalista Luiz Carlos Azenha, dá para ficar sabendo que o sadismo contra estudantes não é de hoje. Ele votou contra a responsabilização do Estado no caso do assassinato do secundarista Edson Luiz Lima Souto, morto com um tiro no peito, no restaurante Calabouço, no Rio de Janeiro.

Leia mais sobre o assunto no artigo Rodas deu uma mãozinha aos carrascos de Zuzu Angel.

Sobre a USP

Alguns amigos ex-alunos pediram para falar sobre a situação da USP.

Quem acompanha meu facebook deve ter visto. Em alguns casos até participado da discussão sobre os fatos que estão ocorrendo na USP.

Estou um pouco sem tempo, trabalhando para entregar um material editora e não terei tempo antes do feriado.

Mas para aqueles que estão interessados, recomendo a leitura do texto: “Esclarecendo o caso USP (para quem vê de fora)” de Bárbara Doro Zachi e Jannerson Xavier Borges, muito bom sobre o assunto.

Também recomendo a leitura do “Desabafo de quem estava lá (Reintegração de Posse)” de Shayene Metri.

Sobre a questão da PM no campus da USP, recomendo ver o vídeo da professora Marilena Chauí, sobre o tema, na greve estudantil da USP de 2009:

Mas logo após o feriado, publico um artigo. Por favor, comentem e escrevam para meu e-mail: ativando.neuronios@gmail.com

A Autonomia da USP! – Lincoln Secco

Não é comum ver livros como armas. Enquanto no dia 27 de outubro de 2011 a imprensa mostrou os alunos da FFLCH da USP como um bando de usuários de drogas em defesa de seus privilégios, nós outros assistimos jovens indignados, mochila nas costas e livros empunhados contra policiais atônitos, armados e sem identificação, num claro gesto de indisciplina perante a lei. Vários alunos gritavam: “Isto aqui é um livro!”.

Curioso que a geração das redes sociais virtuais apresente esta capacidade radical de usar novos e velhos meios para recusar a violação de nossos direitos. No momento em que o conhecimento mais é ameaçado, os livros velhos de papel, encadernados, carimbados pela nossa biblioteca são erguidos contra o arbítrio.

Os policiais que passaram o dia todo da ultima quinta feira revistando alunos na biblioteca e nos pátios, poderiam ter observado no prédio de História e Geografia vários cartazes gigantes dependurados. Eram palavras de ordem. Algumas vetustas. Outras “impossíveis”. Muitas indignadas. E várias poéticas… É assim uma universidade.

A violação da nossa autonomia tem sido justificada pela necessidade de segurança e a imagem da FFLCH manchada pela ação deliberada dos seus inimigos. A Unidade que mais atende os alunos da USP, dotada de cursos bem avaliados até pelos duvidosos critérios de produtividade atuais, é uma massa desordenada de concreto com salas superlotadas e realmente inseguras. Mas ainda assim é a nossa Faculdade!

É inaceitável que um espaço dedicado á reflexão, ao trabalho, à política, às artes e também à recreação de seus jovens estudantes seja ameaçado pela força policial. Uma Universidade tem o dever de levar sua análise crítica ao limite porque é a única que pode fazê-lo. Seus equívocos devem ser corrigidos por ela mesma. Se ela é incapaz disso, não é mais uma universidade.

A USP não está fora da cidade e do país que a sustenta. Precisa sim de um plano de segurança próprio como outras instituições têm. Afinal, ninguém ousaria dizer que os congressistas de Brasília têm privilégios por não serem abordados e revistados por Policiais. A USP conta com entidades estudantis, sindicatos e núcleos que estudam a intolerância, a violência e a própria polícia.

Ela deve ter autonomia sim. Quando Florestan Fernandes foi preso em 1964, ele escreveu uma carta ao Coronel que presidia seu inquérito policial militar explicando-lhe que a maior virtude do militar é a disciplina e a do intelectual é o espírito crítico… Que alguns militares ainda não o saibam, é compreensível. Que dirigentes universitários o ignorem, é desesperador.

Lincoln Secco, professor livre docente em História Contemporânea na USP. É um dos editores da Revista Mouro.

AIDS: HIV na mira de vacina brasileira

Notícia interessante publicada pelo pessoal do Jornal de Ciência, divulgando uma matéria interessante da revista Ciência Hoje. É animador a ciência brasileira desenvolvendo pesquisas tão importantes.

HIV na mira de vacina brasileira

Vacina contra Aids desenvolvida na USP e testada em camundongos induz maior resposta imunológica se comparada com similares. Potencial está relacionado com a capacidade de driblar a mutabilidade do vírus.

Uma nova vacina preventiva para Aids está obtendo resultados promissores em testes com camundongos. Desenvolvido por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), o composto tem como diferencial conseguir driblar a principal característica do vírus HIV: sua mutabilidade.

O HIV replica-se e espalha-se muito rapidamente pelo organismo. Como não há tempo para o controle de qualidade da replicação, ocorrem erros nesse processo e o vírus muda de forma. Assim, cada pessoa infectada passa a ter uma diversidade viral.

Leia a matéria completa na Ciência Hoje On-line, que tem conteúdo exclusivo atualizado diariamente. Clique aqui para ler.

Fuvest antecipa lista!

Atenção galera, a Fuvest antecipou a divulgação da lista dos aprovados para a próxima terça-feira, as 10h.

A lista que será publicada no site da Fuvest (www.fuvest.br) vai trazer o nome dos 10.752 ingressantes.

São 10.652 para a Universidade de São Paulo (Capital e Interior) e 100 para a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O rol com os 750 melhores treineiros (250 em cada carreira) também será disponibilizado.